Gruta Subterrânea Nossa Senhora de Fátima

  • Publicado em: 09/12/2021 às 00:00   |   Imprimir

 

O Município de Nova Esperança do Sul, no Vale do Jaguari, pertencente a rota “Caminho das Origens”, a cidade está localizada a 430 km da capital Porto Alegre, tendo como vias principal de acesso a BR 287 e a RS 825. A Capital da Bota assim intitulada por Lei Estadual, é uma cidade interiorana, com população receptiva, religiosa, e simples, a natureza bem preservada também é outro atrativo do município que é cercado de vegetação, cascatas e trilhas nas matas nativas.

 

A Gruta Nossa Senhora de Fátima

 


 

Para os amantes da natureza, Nova Esperança do Sul possui vários pontos turísticos, mas o mais procurado é a Gruta Nossa Senhora de Fátima, localizada na comunidade de Linha Um, interior do município, a 9 km da cidade. O local é considerado como uma das maiores grutas subterrâneas da América Latina, e um dos pontos turísticos mais belos da região, ideal para quem procura momentos de tranquilidade, paz, fé e oração junto a imagem de Nossa Senhora de Fátima no interior da caverna.

COMO CHEGAR

A caverna da gruta moldada pela natureza pode abrigar até 5.000 (cinco mil pessoas) em seu interior, é formada por rochas de arenito, possui 2 aberturas em seu teto, como se fossem claraboias, por onde entra a claridade, além de túneis que dão acesso às trilhas, cascatas e para a superfície. A gruta começou a ser desvendada no ano de 1935, quando equipes de saúde pública do Estado vieram para combater as infestações de morcegos hematófagos, que se abrigavam em cavernas e que transmitiam a raiva aos animais. Surgiu então a ideia de aproveitar o espaço para a implantação de um santuário religioso. As atividades tiveram início com a orientação do pároco Padre Achilles Luiz Bertoldo, época em que o município ainda pertencia a Jaguari. A gruta tem aproximadamente 15m de profundidade e 3200 m², sem considerar seus túneis e escadas.

A área de terra onde se localiza a gruta pertencia à família Bressan, que vendeu para Nilo Carvalho Espíndola, e este transferiu 1,5 hectares para a Mitra Diocesana de Santa Maria, logo após haver perdido um filho pequeno vitimado por mal súbito. Nilo doou também a imagem de Nossa Senhora de Fátima e realizou, junto com sua esposa Julieta e o casal João e Clélia Gioda Vielmo, a primeira festa em homenagem à Nossa Senhora de Fátima, foi realizada em 1961, e na ocasião foi feito um altar num espaço entre duas fendas, no qual foi colocada a imagem de Nossa Senhora de Fátima. Hoje, a estátua da santa, se encontra em frente à entrada de um dos túneis que liga o seu interior a uma saída para a entrada superior do local.

 

Pela abertura mais favorável que alcança a superfície, foi construída uma escada de madeira, possibilitando melhor acesso ao interior da gruta, além de outras benfeitorias que foram executadas na época pelos Senhores Ernesto Frizzo, Aladino Buzata, Brasil Ferrari, Roberto Vielmo Angonesi, Orlando Ciscato e outros membros da comunidade, e fiéis região, realizadas com verbas municipais, e contribuições de empresários locais e de regiões vizinhas.

A partir de 1963, na superfície do terreno foram construídas churrasqueiras, instalações sanitárias e um pavilhão para as festas. A partir de 1980 o Padre Abrahão Cargnin, através de uma grande operação manual, com a ajuda da comunidade, alargou o túnel que dava escoamento à água abundante em todo o espaço interno da gruta, criando um outro acesso ao interior de toda a área subterrânea, além de refazer a escadaria em concreto.

Cascatas

As cascatas que fazem parte do complexo rochoso da Gruta, ficam em propriedades particulares, mas a sua visitação é permitida pelos proprietários. As belas quedas d'água que encantam ainda mais o local denominam-se:

Cascata 1-Véu de Noiva- Com 30 metros de altura, tem esse nome devido a queda d'água parecer um véu, é uma das mais visitada, por ter trilhas mais acessíveis, tanto na sua vista de cima, quanto pela frente.

Cascata 2-Cascata dos Corvos- Com 29 metros, considerando as 2 quedas, possui esse nome devido inúmeras aves de rapina, pousarem e fazerem seus ninhos nos paredões rochosos e árvores. Seu acesso é através de trilhas em meio a mata nativa, apresentando uma bela e variada vegetação, com minúsculos pontos de água pelo caminho que imitam cascatas, além de poder observar o Arroio Calça-Botas seguindo seu curso em meio as pedras, originando as belas quedas até chegar ao rio Jaguarizinho.